Pará

Jovem é espancado e encontrado desacordado em terreno; suspeita é de homofobia

O quadro clínico de Davi Silva Amaral, 18 anos, é gravíssimo, segundo o Hospital Municipal.

A Polícia Civil de Santarém investiga um caso de violência contra um jovem gay encontrado desacordado na manhã desta quinta-feira (14), em um terreno baldio no cruzamento das avenidas São Nicolau e São Paulo, bairro Livramento, em Santarém, oeste do Pará. O jovem estava apenas de camisa, despido da cintura para baixo.

Enquanto o Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar se criminaliza a LGBTfobia, Davi Silva Amaral, de 18 anos, que é estudante do colégio Rodrigues dos Santos, pode ter sido mais uma vítima de homofobia, segundo informações da família, que registrou boletim de ocorrência na 16ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Santarém.

Ao ser encontrado no terreno baldio, o jovem apresentava ferimentos graves na cabeça, foi socorrido e levado ao Pronto Socorro Municipal de Santarém.

Terreno baldio onde Davi Amaral foi encontrado desacordado por moradores das proximidades. (Foto: Jaderson Moreira/Tv Tapajós)
Terreno baldio onde Davi Amaral foi encontrado desacordado por moradores das proximidades. (Foto: Jaderson Moreira/Tv Tapajós)

Segundo um amigo de Davi, que prefere não ter seu nome divulgado, o jovem havia saído para beber com amigos na noite de ontem (13), no bairro do Livramento, onde mora com a família. Até por volta de 1h da madrugada, tanto ele quanto outros amigos falaram com Davi por telefone. Após esse horário, ele acredita que Davi tenha retornado para casa e no caminho, tenha sido abordado pelos agressores.

Quadro clínico

Por meio de nota, o Hospital Municipal Dr. Alberto Tolentino Sotelo informou que o quadro clínico de Davi é gravíssimo. Confira:

“D. S. A., 18 anos, foi atendido pela equipe médica do setor de estabilização. O paciente apresentou múltiplas fraturas na cabeça. Ele está entubado.

Os neurocirurgiões do Hospital aguardam o rapaz no centro cirúrgico neste momento. O quadro clínico do paciente é gravíssimo.”

As informações são do site G1

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo