Goiás

Dois homofóbicos são presos suspeitos de agredir jovem de 24 anos em Goiânia

A vítima denunciou à Polícia Civil que foi vítima de homofobia. Ele contou que foi xingado e agredido por três rapazes, dos quais dois correram atrás dele na rua.

Jovem foi perseguido por dois dos três homens que teriam o agredido em Goiânia, Goiás. (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Jovem foi perseguido por dois dos três homens que teriam o agredido em Goiânia, Goiás. (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

A Polícia Civil prendeu dois estudantes de 20 anos suspeitos de agredir um jovem, de 24 anos. A vítima acredita que foi agredida por ser gay. O crime aconteceu no último dia 6 de julho, no Setor Bueno, em Goiânia. Imagens de câmeras de segurança mostraram quando os autores correm atrás e batem no rapaz.

Segundo o delegado que investiga o caso, Carlos Caetano, um deles disse ter sido provocado pela vítima e por isso a agrediu com socos. O segundo nega qualquer agressão ao jovem. Ambos negaram que tudo ocorreu por homofobia.

Advogado que representa os dois, Eduardo Brown disse que os seus clientes não são homofóbicos e que “são pessoas ilibadas e de boa índole, que convivem em sociedade em perfeita harmonia”. Portanto, a defesa “refuta qualquer afirmação de crime motivado por descriminação sexual”.

O jovem denunciou à corporação que foi vítima de homofobia. Ele contou que foi xingado e agredido por três rapazes, dos quais dois correram atrás dele na rua.

Imagens de câmeras de segurança mostram o jovem caminhando e sendo abordado por dois homens. Um deles dá vários murros no rosto da vítima. Para tentar fugir das agressões, o rapaz corre.

Antes dos murros, o jovem disse que um terceiro homem, que não foi filmado pela câmera de segurança, jogou um copo de vidro no rosto dele. O rapaz contou que não conhecia os agressores.

Segundo o jovem, o homem que jogou o copo o xingou e disse que a vítima merecia morrer.

“Me xingando de ‘viado’, de ‘bicha’, falando que minha roupa era roupa de ‘bicha’, que eu tinha que morrer porque não é certo ser ‘viado’. Que eu era ‘viado’ porque eu não apanhei o suficiente quando eu era criança. Que eles iam me ensinar a ser homem na porrada”, contou.

O jovem fez exame de corpo de delito e registrou um boletim de ocorrências no 4º Distrito Policial de Goiânia. A polícia registrou inicialmente o caso como injúria e lesão corporal, mas será mudado para se enquadrar na Lei de Racismo.

Em junho, a LGBTfobia foi considerada crime no Brasil pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e se enquadra nas mesma Lei de Racismo, que é um crime inafiançável e pode ser punido com um a cinco anos de prisão e, em alguns casos, pagamento de multa.

Investigação

O delegado Carlos Caetano, que apura o caso, disse que o registro inicial foi só uma direção para começar a investigar o caso.

“Ouvimos formalmente a vítima [terça-feira] e o meu entendimento leva a crer que foi um crime dentro da Lei de Racismo, de acordo como definiu o STF. […] Estamos aguardando o resultado do exame de corpo de delito, mas as declarações da vítima e as imagens deixam claro que houve o crime”, afirmou.

O jovem que foi agredido insiste em divulgar o caso para que não hajam outras vítimas.

“Se eu puder ajudar a evitar que isso aconteça com alguma outra pessoa é isso que eu quero. Eu quero que eles sejam pegos para que eles não possam mais fazer isso com ninguém”, afirmou.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo