Moda & Estilo

Mostrando cicatrizes, modelo faz protesto contra transfobia na SPFW

O brasiliense Sam Porto, recordista em desfiles no evento, trouxe escrita a frase "Respeito trans".

Desfile da grife Cavalera durante a edição N48, do São Paulo Fashion Week (SPFW), em São Paulo (SP), nesta quarta-feira, 16. (Foto: Adriana de Maio/Estadão Conteúdo)
Desfile da grife Cavalera durante a edição N48, do São Paulo Fashion Week (SPFW), em São Paulo (SP), nesta quarta-feira, 16. (Foto: Adriana de Maio/Estadão Conteúdo)

Recordista em desfiles na SPFW, o modelo Sam Porto, 25, fez um protesto contra a transfobia durante o desfile da Cavalera durante a semana de moda que acontece no Pavilhão das Culturas Brasileiras, no Parque Ibirapuera, em São Paulo. No peito, Sam trouxe escrita a frase “Respeito trans”, com as cicatrizes deixas pela mastectomia.

“Nunca tive uma transição de gênero”

Há dois anos, Sam trabalha como modelo, mas apenas para marcas que ele conhecia pessoalmente. “Não queria entrar em uma agência porque tinha medo de ser confundido com uma pessoa andrógina e ser colocado com o casting de mulheres.”

“Sempre fui assim, me vestia com roupas de menino. Meus pais até tentaram que eu usasse roupas femininas, mas à medida que fui crescendo eles começaram a respeitar a forma em que eu me sentia confortável para me vestir”, afirmou em entrevista ao site Uol.

Sam Porto é ovacionado ao desfilar sem camisa com texto forte escrito no corpo. (Foto: Francisco Cepeda/AG News)
Sam Porto é ovacionado ao desfilar sem camisa com texto forte escrito no corpo. (Foto: Francisco Cepeda/AG News)

Porém, após começar a tomar hormônios e a tirar os seios, há um ano e meio, ele deixou a cidade natal, Brasília, para se profissionalizar como modelo. Ao ser convidado para fazer parte da agência Rock MGT, Sam fez uma exigência. “Queria ser apresentado pelo meu booker como homem transgênero. Se não fosse assim, eu não entraria.”

Apesar do posicionamento bem resolvido, Sam entende que não é todo mundo que pode se sentir à vontade em carregar a plaquinha de “transgênero” o dia inteiro.

“Falo que sou privilegiado porque meus pais me apoiam, tenho uma boa ‘passabilidade’. Por isso respeito quem não quer bater no peito em relação a isso.”

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo